Notícias :: Cultura

Home > Notícias > Cultura

Berlinale: Filme romeno leva Urso de Ouro na edição virtual do festival alemão


Atores aparecem usando máscara no filme Bad Luck Banging or Loony Porn, de Radu Jude, pois obra foi gravada durante a pandemia de Covid-19

 

O Festival Internacional de Cinema de Berlim (Berlinale) anunciou esta semana os premiados desta edição, mas os contemplados só devem ter seus troféus em mãos em junho de 2021. Isso porque a mostra alemã, que ocorre tradicionalmente em fevereiro, teve seu calendário alterado por causa da pandemia de Covid-19.

"Cancelar a Berlinale simplesmente não era uma opção para nós", afirmou a diretora do evento, Mariette Rissenbeek, durante a coletiva de imprensa realizada para anunciar a programação e os ajustes no formato.

Segundo Mariette, após  meses de cinemas fechados devido à pandemia, muitos cineastas necessitavam com urgência de uma plataforma para divulgar suas obras (saiba mais sobre o evento nesta matéria da DW).

Feitas as mudanças, o calendário da Berlinale ficou assim: As exibições foram realizadas virtualmente agora em março, para um público restrito, formado por pessoas ligadas à indústria cinematográfica. E, contando que a situação pode melhorar na Alemanha até a metade de 2021, os realizadores do festival marcaram uma edição Especial de Verão para o período de 9 a 20 de junho, com as sessões abertas ao público e a premiação.

E por falar prêmios, o filme romeno Bad Luck Banging or Loony Porn, de Radu Jude, ganhou o Urso de Ouro. As atrizes Maren Eggert e Lilla Kizlinger ganharam os Ursos de Prata de melhor interpretação.

Esta foi a primeira edição do festival alemão em que não houve distinção de gênero nesta categoria, atores e atrizes concorreram ao mesmo prêmio. Sendo assim, Maren Eggert ganhou o Urso de Prata de melhor protagonista pela atuação na tragicomédia Ich bin dein Mensch (Eu sou o teu humano) e Lilla Kizlinger ganhou o Urso de Prata de melhor coadjuvante pela atuação em Forest - I See You Everywhere.

Confira os demais premiados:

Urso de Ouro de melhor filme: Bad Luck Banging or Loony Porn, de Radu Jude
Urso de Prata - Grande Prêmio do Júri: Wheel of Fortune and Fantasy, de Ryusuke Hamaguchi
Urso de Prata - Prêmio do Júri: Herr Bachmann und seine Klasse, de Maria Speth
Urso de Prata de melhor direção: Dénes Nagy por Natural Light
Urso de Prata de melhor interpretação como protagonista: Maren Eggert em Ich bin dein Mensch, de Maria Schrader
Urso de Prata de melhor interpretação como coadjuvante: Lilla Kizlinger em Forest - I See You Everywhere, de Bence Fliegauf
Urso de Prata de melhor roteiro: Hong Sangsoo por Introduction, de Hong Sangsoo
Urso de Prata por uma performance artística excepcional: Yibrán Asuad pela montagem de Una película de policías, de Alonso Ruizpalacios

Seção Encounters

Melhor filme: Nous, de Alice Diop
Prêmio especial do Júri: Taste, de Lê Bao
Melhor direção: Das Mädchen und die Spinne, de Ramon Zürcher e Silvan Zürcher
Melhor direção: Hygiène sociale, de Denis Côté
Menção honrosa: Rock Bottom Riser, de Fern Silva

Curta Metragens

Urso de Ouro de melhor curta: My Uncle Tudor, de Olga Lucovnicova
Urso de Prata - prêmio do júri: Day Is Done, de Zhang Dalei

 

BERLIM – RECIFE

Uma parte da Berlinale marca presença no Recife, de 6 a 10 de março. Realizando com apoio do Centro Cultural Brasil-Alemanha (CCBA), o Janela Internacional de Cinema do Recife apresenta o programa especial Forum 50: Episódios de Luta. Ele é um recorte da programação exibida na primeira edição da mostra Forum, criada em 1971 na Berlinale. 

A curadoria selecionou sete filmes raros, incluindo cópias restauradas recentemente, que tratam das lutas por liberdade de populações negras e dos movimentos civis e anticolonialistas nos continentes africano, norte-americano e europeu, realizadas entre os anos de 1968 e 1971.

“O programa Forum 50: Episódios de Luta destaca filmes que dão expressão a projetos antirracistas de futuro, tão solidários quanto combativos, numa indistinção nada infrequente entre cinema e rebelião. São visões que podem também nos munir, agora e no futuro”, afirma Luís Fernando Moura (saiba mais sobre esta edição do Janela Internacional de Cinema do Recife).